COMPARTILHAR

Ao mudarmos de casa, é natural que leve um tempinho para que os bichos se acostumem ao novo lar. No novo ambiente, cães e gatos podem agir de maneira diferente, porque ainda não identificam o local como sendo “seu novo território”. Diante do espaço desconhecido, os animais podem ficar ansiosos, o que por sua vez leva a mais uivos e/ou latidos, mordidas ou arranhões na mobília, raspagens na porta ou xixi em locais errados, por exemplo.

Para tornar a mudança menos estressante para eles, veja algumas orientações de especialistas em comportamento, que mostram que com muita paciência e carinho, você e seu(s) amigo(s) podem superar essa fase com tranquilidade!

O grande dia

Durante os dias de preparação para a mudança, embora você esteja ocupado(a) com a organização e empacotamento dos objetos, é importante manter a rotina do bicho: faça os passeios, brincadeiras e refeições nos horários habituais. No dia da mudança, procure manter o cão e/ou gato em um local tranquilo. Como na residência antiga e na nova casa haverá bastante movimentação com pessoas entrando e saindo, deixe o animalzinho na casa de um parente ou amigo com quem o pet já tenha convívio ou em uma creche e, somente após a transição, leve-o ao novo lar.

Sem Título-2

Os primeiros dias na casa

O ideal é planejar a mudança para uma sexta-feira, para que no final de semana haja tempo para observar o comportamento do pet. Durante os primeiros dias, restabeleça a rotina e evite trocar a ração ou fazer alterações de camas ou brinquedos, porque mais alterações podem ocasionar estresse psicológico e fisiológico.

jackpasseio

Se você tiver um gatinho, proporcione condições para que o ambiente seja “controlado” por ele. Esta é a melhor forma de evitar a ansiedade no bichano e pode ser feita da seguinte maneira: coloque-o primeiro em um cômodo, aguarde que o bicho relaxe e só então libere-o para que reconheça aos poucos os outros ambientes. Se você cria um cachorro, a dica é fazer exatamente o oposto: leve-o, com a guia, para um “tour” pela residência. O acessório é importante, porque o deixará mais seguro. Nos primeiros dias, nunca isole o cão em um local longe dos moradores, pois ele adora (e precisa) ficar próximo ao seu grupo social, em especial, quando ainda não identifica o lugar onde está.

Os cheiros e pequenos truques

Durante essa etapa de adaptação mantenha na nova morada os objetos aos quais o pet está habituado, para que ele reconheça seu próprio odor na caminha, nos potes de água, comida e brinquedos, dessa maneira se sentirá mais confortável. Para diminuir a chance de o animal ficar ansioso e demarcar o território com o xixi, espalhe o cheiro dos moradores pela residência. Sente-se nos tapetes e encoste roupas usadas nas paredes e móveis pelos ambientes, ao perceber o odor do dono pelo lar, o bichinho se sente mais confiante. Uma alternativa é adicionar florais no bebedouro, esta substância pode ajudar, também, a atenuar o estresse do gato ou cão.

6371626951_c096741bf5_b

De uma casa para um apê

Os animais de estimação são naturalmente curiosos e exploradores. Ao se mudar para um apartamento, é essencial instalar telas de proteção em todas as janelas para garantir a segurança do pet. Se a dimensão do imóvel for menor do que a da antiga moradia, no caso dos cachorros, tente suavizar a redução de espaço aumentando a frequência e o tempo dos passeios e das atividades recreativas ou, então, busque uma creche para que seu animal possa, durante o dia, conviver com outros cães e gastar a energia acumulada. Para quem tem gato(s), enriqueça os ambientes com móveis e objetos que distraiam os bichanos: prateleiras fazem o animal observar o espaço a partir do topo e eles se sentem mais confiantes.

escada-para-gato

De um apê para uma casa

Lembre-se que o cão gosta de ficar com seu grupo social, por isso, caso se mude para uma casa com quintal, não o deixe lá fora por muito tempo, porque o bicho pode se sentir abandonado. Durante o processo de adaptação, leve-o para a área externa e brinque com ele, acompanhe-o em um banho de sol ou simplesmente espere-o fazer suas necessidades, para então voltar com ele para dentro da residência. Assim você evidencia que não há distanciamento e o deixa seguro ante a nova situação. A frequência de passeios, todavia, pode até ser reduzida e substituída pelas brincadeiras no quintal, mas nunca deixe essa atividade de lado na rotina do cãozinho.

Labrador and Trainer with Dog Chew Toy at Park

No caso dos gatos, nos primeiros dias, atente-se: eles podem tentar fugir da recente moradia e ir atrás do lugar antigo. Esse é mais um motivo para, no começo, restringir a mobilidade do animal a um único cômodo. Após o reconhecimento, leve-o aos outros ambientes e só então, depois de alguns dias, libere o acesso ao quintal.