COMPARTILHAR

Agora que o frio chegou, muitos gatinhos estão manifestando os sintomas respiratórios.

Um tutor mais atento pode perceber somente que o gatinho vem diminuindo a ingestão de água e alimento e já procura o veterinário para investigar a possível causa disso. Mas quem tem muitos gatinhos as vezes não tem como perceber isso.

O mais importante é lembrar-nos de que o gato por ser um caçador, vai esconder dos outros gatos e do proprietário, que não está bem e quando isso acontece pode ser um pouco tarde!

Nem tudo que faz o gato espirrar é rinotraqueite, a famosa doença respiratória dos gatos!

De fato, os gatinhos portadores do herpesvirus felino tendem a manifestar a infecção devido a um quadro de imunossupressão e junto ao frio tem uma menor concentração de defesas na porta de entrada das bactérias, que são as vias aéreas superiores (nariz e garganta).

A rinotraqueite, por ser causada por vírus não é tratada com antibióticos. Esses medicamentos são para controle da infecção bacteriana secundária e oportunista à inflamação que o vírus causou. Portanto para combater o vírus o animal tem que receber um tratamento para estimular as próprias defesas do organismo.  Nessa hora não adianta, e nem deve-se vacinar!

Um gatinho com muita secreção nasal também não vai conseguir sentir o cheiro da ração e não vai comer bem por isso, ficando ainda mais sensível a infecção.

Mas, como dissemos nem tudo é rinotraqueite! Nos dias frios e secos os gatinhos susceptíveis podem desenvolver crises de asma, rinite e em casos mais graves de infecção respiratória uma pneumonia. Por isso é muito arriscado tentar medicar o gatinho sem saber de fato o que está causando o problema!

Em qualquer um desses casos, o mais importante é boa nutrição do animal. Um gato jamais pode ficar sem comer! Existem suplementos alimentares no mercado para estímulo do sistema imune e até mesmo voltados para “encurtar” o ciclo do herpesvirus. Muitos desses suplementos são palatáveis e podem se oferecidos diretamente na boca do animal e outros polvilhados na alimentação.

Mas se mesmo melhorando a alimentação o gatinho não apresentar melhora, o Médico Veterinário deverá ser consultado. Nunca administre antibióticos sem orientação, pois a medicação,  a dose e duração do tratamento pode variar muito e se não for feita corretamente pode criar resistência bacteriana e o problema ficar ainda mais difícil de ser resolvido.

Animais de colônia devem ser acompanhados porque doenças respiratórias são muito comuns e facilmente disseminadas e tratar todos os animais pode-se tornar inviável. Portanto o manejo e orientação veterinária ajuda a prevenir muitas dessas complicações.

Afinal, ainda mais se tratando de gatinhos, prevenir é melhor que remediar!

Por. Dra. Vanessa Zimbres
Medica Veterinária Especializada em Felinos
Clínica de Medicina Felina Gato é Gente Boa!

COMPARTILHAR
Artigo anteriorDiabetes em Cachorro: o que fazer?
Próximo artigoCuidados importantes com cães idosos
Médica Veterinária graduada pela Universidade Federal de Uberlândia. Especializada em Medicina Felina pela Universidade Anhembi Morumbi. Cursando sua segunda especialização em Medicina Felina pelo Instituto Qualittas. Sócia Proprietária da Clinica de Medicina Felina Gato é Gente Boa!